quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Sobre Nós

foto por Leandro Carmelini




É sempre a mesma história
Estampada nos rostos
Nas reentrâncias das mãos
Nas pintas dos corpos
E brotando pela aorta
Desde a invenção da roda


E da corda
(assim vai):


Num ponto escuro da corda
Entranhado no complexo de fibras
O hipocentro de um tremor
Atordoa lados opostos
Que de repente se aproximam
Se animam
Se enroscam
E seguem caminho
Pensando continuar cada um dele mesmo
Como sempre, sozinhos
Mas quem entende?
Se no âmago da corda
Ali, onde não se atina
Onde o início de uma ponta se dá
E a outra termina
Há algo explícito perturbando a calmaria
Da antes plana geografia:
Nós.
Mas é que a corda é comprida
Comprida de dar o dia
De atravessar noite, abraçar o mundo
Por isso esse desejo fundo
De tecer amarrinhas
Pra distrair um destino
Assim, tão retilínio
Tão certinho
sem sobressaltos.
Então, daqui até o último planalto
De uma à outra extremidade
São nós pra perder de vista
Nós que nos amamos
Furor no meio da reta
Cheirando a subversão
E nós que perdemos a graça
do apego, da comunhão
E somos somente aperto
Sem sossego, sem voz.


Pra esses últimos
Ainda resta o bálsamo
(mesmo que não venha veloz)
Da certeza universal
Provada e comprovada
Por aqueles que já viveram
Até a solidão mais atroz:
A de que pelo seu
E pelo meu bem
(é sempre a mesma história)
O tempo desata os nós.
O tempo desata-nos.

13 comentários:

Ludmila Clio disse...

Amei o duplo sentido dos nós!
O tempo realmente sempre desata os nós... mas vc tem razão... esse bálsamo não nos vem veloz... e esperar dói... DÓI....
Lindo!!!

Marcelo Grillo disse...

Olha, só tô passando pra dizer que é maravilhoso. Mas tenho de ler muito mais vezes... Bj

alguém que não é legal disse...

está tão bom que nem sei o que comentar... parabéns, outro texto perfeito!

bjos!

Marcelo Grillo disse...

É assim mesmo, Milena: nascemos separados, nós desatados, cordas soltas, fibras libertas. De repente, agarramos uma ponta de corda errada, nos engatamos nela, pensando ser a única. Ficamos feito nós – sós —, laços atados, acordes dissonantes: vira cabo de força. Nós não significam, necessariamente, união; podem ser, apenas, prisão. Damos um nó errado e ficamos esperando que a vida o desate. Cada um de nós que faça sua parte: acorde, puxe a corda, dê mil voltas, se desenrosque e volte a ser só; ajude o destino a “desatar-nós”. Afinal, quem deu o nó que o desate.

*É para ler e reler. Por isso deves virar livro. De cabeceira. Não é à toa que a admiro*

Maria Flor disse...

ô milena e eu já disse que a tua poesia é tão linda?!?!

pois digo/repito eu gostto muito deste cantinho!!!!


beijocas,

flor.

Anjo disse...

Como bem canta Ana Carolinha: Que se danem os nós

RUTE disse...

Milena!!! Valeu a pena esperar 1 mês por sua inspiração.

Li 3 vezes e em cada vez descobri mais e mais significado no entranhado complexo da escrita.

Sei que voltarei mais tarde, para reflectir melhor sobre os nós das relações humanas, os nós do apego, da comunhão.

Parabéns por seu magnifico trabalho.
Parabéns a Leandro Carmelini pela foto.

C. disse...

eu gosto da tua perspectiva e do par que ela faz com teu lirismo. me encanta...
=*

Caetano disse...

Não canso de me encantar pelas suas palavras.
Nós. adorei.

(quero meu presentinho)
=)

beijaz, pajonita

Renata Mofatti disse...

E Ana Carolina berra aos sete ventos: "Que se danem os nós"... Nós de nós dois, nós de emaranhado, de confusão, o pensamento deu um nó que só vendo. Melhor um laço que nem causa tanto embaraço... Mas caramba que eu tava com uma saudade danada dessa fornada de pão-de-sol !!!

Luiz Carlos Cardoso disse...

Num vou ficar dando corda não... Pra que elogiar, decantar, se iluminar se isso não ocorre só em mim, ocorre em nós, entrelaçados como nó de marinheiro...? É belo, é por nós... poema pra nós!

Lindo. Como sempre...

Beijos!

Marcelo Grillo disse...

Ba, guria, não vais dar uma atualizadinha, não? hehehe... tô com saudade de ler coisa novas... bj

daniela disse...

você é uma escritora fantástica, não sei se você tem plena consciencia do quanto... mas aqui há mais de 10 pessoas que dizem isto.
Você é apaixonante Paixão!

e com certeza será O livro de cabeceira.
;*