quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Sozinhez


Sozinhez é sina
E não vem da sala vazia
Nem da cadeira sem sentante
Nem do bodoque sem menino
Ela não vem de cima
Feito castigo divino
É destino
É por dentro
Nascida e crescida
Banhada em ungüento
De batismo
É cataclismo
Silencioso
Que quase mata
Mas não
(a sádica)
É calo na ponta do coração
Pendendo pro lado esquerdo
E, esporádica,
Causa inquietância
Medo
Sede
Transparência
Ou cor da mais próxima parede.
Sozinhez é amiga de infância
Mal de filho único
Ou de quem tem mais irmãos
Que os dedos podem contar
E, cadela, é mancomunada
Com todo o silêncio que há
Nos telefones que não tocam
Nas cartas que não chegam
Nas pessoas que não sentem saudade
Nem nada.

Sozinhez não é coisa de idade
É marca de nascença na testa
É maldade
Da simples natural seleção
É festa
Em sótão cheio de fantasma
Esse calo pressionando o pulmão
Essa falta de ar que me pasma.

Sozinhez é asma.

20 comentários:

Ana Jácomo disse...

Menina, você é demais! Eu adoro o seu texto, sua poesia, seu jeito de dizer e de criar silêncios onde não cabe palavra alguma. :) Beijos, com carinho

Marcelo Grillo disse...

É... essa tal de sozinhez é a triste descoberta de que não nos bastamos, de que sem a muleta de um amigo, de um bicho de estimação, de uma planta não sabemos seguir vivendo nesse mundinho de Deus. Felizes de nós, os escritores, desde que não nos faltem livros, papéis, canetas e a mente sã... Nem tão sã, pois todos somos um pouco loucos. Bj e parabéns por mais um texto lindo.

alguém que não é legal disse...

Caramba!
Hoje, enquanto vinha para o trabalho, estava ouvindo música e tentando compreender como os poetas e compositores conseguem escrever exatamente tudo o que a gente pensa e sente, só que incrivelmente mais bonito do que os nossos pensamentos.
Aí chego no trabalho e leio um petardo desses! Só confirma a minha teoria.
Incrível, incrível mesmo. Coisa de gênio. Parabéns.
bjos!

Fernanda Barata disse...

Mas que esse poema me deu uma falta de ar tão grande que, por um minuto, pensei estar só acompanhada de poesia.
Parabéns! Você é ótima =]

the drama queen disse...

é por umas coisas assim que você é minha poeta preferida! e cozinheira também =)

daniela disse...

como vc faz pra conseguir fazer isso, de que quando a gente lê esse texto consiga sentir essa sozinhez asmática, esporádica, sádica???

estou cada vez mais (e sempreeee mais) adorando tudo que escreves, tens um dom que de tão lindo estrapola o divino (não é blasfêmia)!

parabéns!
além de linda moça és ótima escritora...

;)

Márcio disse...

Navegando pelo blogspot, tive o imenso prazer de descobrir o "para catar-se". Gostei muito do seu texto e parabenizo pelo enorme talento demonstrado em cada palavra de sua poesia. Agora o seu blog também é uma indicação do eco das nuvens.
Beijo e Parabéns!!!
(www.ecodasnuvens.blogspot.com)

C. disse...

que mãos delicadas as tuas, pra fazer doer assim: como se fosse carinho.

Fernanda Fassarella disse...

ai, que eu fiquei até sem ar!

uf...

adoro o que escreve...
beijo

Anônimo disse...

pra isso, bombinha ou amigo sempre à mão...

Gabriel R. disse...

sua capacidade de me encantar, com um olhar, sorriso, palavra ou gesto é tão sublime quanto o fato de sabermos que não existimos mas sim vivemos. você é uma flor :)

Luiz Carlos Cardoso disse...

Esse texto é uma pontada naquilo que temos na essência, porque esse texto é arte. Você conseguiu tocar a linha tênue que temos entre o mundo e nossa poiese. Você toca sempre. Seus textos são belíssimos.

Não deixa de ir no meu blog: http://corposemorgaos.blog.terra.com.br/

Beijão !

Marcelo Grillo disse...

Sozinhez é algo que pega. Já tô me sentindo sozinho, sem textos novos. Vamos, publique alguma coisa, guria...

Renata Mofatti disse...

É ser cru... Estar nú diante da vida tão lotada de tudo... Sozinhez é ser nulo, ser fulo, não ter essência... Mas se a essência é algo que vem de dentro, ficar por dentro é ser sozinho? Sozinhez é não ter ninguém ao lado seguindo o nosso caminho! Sozinhez é o parente mais próximo do Sr. Sozinho! HUm! Pode falar pão-de-sol, que viagem Renatinha!!!

Marão disse...

vc é simplesmente phoda. poucas palavras mas foi a que saiu (devido ao fato de xingar muito)

Marla de Queiroz disse...

Isso é bonito demais.
Sozinhez que dá calo no espanto.
Eu fico lembrando é de Guimarães que dizia: "pra muita coisa importante falta nome..."
Lindo, lindo.Faltou a palavra mesma que o texto é pra mim.Usei a antiga.

Beijos, Flor!

Caetano disse...

sozinhez somos nós.
por mais que sejaoms cercado de boas almas, no fundo estamos todos sós.

lindas palavras, Pajonita
beijos

Daniel. disse...

o sentimento de solidão é permanente, quando se está em um lugar movimentado então nem se fala... solidão lembra anonimato, se perder na multidão, solidão é nascer, crescer, ter filhos e ser esquecido, a solidão é a "frialdade inorgânica da terra", se eu fosse um homem digno, choraria ao ler esses versos

M.Maria M. Coutinho disse...

Ai! que me senti sem ar!

Juliano Torres disse...

Estava pensando na tal de sozinhez e, por sorte, vim parar aqui.

Há algum tempo eu não lia um poema como esse, que dissese tanto e tão bem, que fizesse um sentido que nada mais faz.

Obrigado!